segunda-feira, 30 de março de 2015

Estabeleça Altos Marcos

Levanta para ti sinais, faze para ti altos marcos, aplica o teu coração à vereda, ao caminho por onde andaste; volta, pois, ó virgem de Israel, regressa a estas tuas cidades.”
Jeremias 31:21

Introdução

Nas minhas viagens de carro, quando não tenho mapas ou mesmo com eles, procuro sempre marcar locais, pontos de referência nas estradas ou cidades. Faço isto para que caso eu volte  por ali, tenha noção de onde estou.
Como engenheiro florestal,  várias vezes entrei na floresta amazônica. Como receasse me perder, quebrava galhos por onde ia passando para saber o caminho de volta. Isto nos faz lembrar  o exemplo daqueles pais (mau exemplo) que resolveram abandonar seus filhos “Joãozinho e Maria” no meio da mata. O que faz então o garoto? Leva umas pedras e vai marcando o caminho. Com isto consegue achar o caminho de volta. Nova tentativa de abandoná-los é feita. Desta vez Joãozinho lança pelo caminho migalhas de pão. Contudo, pássaros as comeram o que fez com os dois irmãos ficassem perdidos na floresta. Creio que todos conhecem essa história infantil.
Hoje temos GPS, celulares e na internet o google maps. Através dele você pode ir de uma cidade para outra sem pedir ajuda a nenhum policial, ou a estranhos. Ou mesmo localizar uma rua, um número dentro de sua própria cidade.

Desenvolvimento
O verso 21 de Jeremias 31  diz: “...preste atenção na vereda...”. Na vida espiritual temos uma sugestão de caminho que é o próprio Senhor Jesus Cristo que diz: “Eu sou o caminho...”
 Em Oséias 6:3 lemos: “Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; ...” é a sugestão do Profeta.
 Para conhecer esse caminho, andar por ele e viver nEle e por Ele faz-se necessário fincar os seguintes  marcos:
  
1º Alto marco Compromisso como o Senhor.
Mt. 11:28,29  “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.”

a) Vou ficar e andar com Ele
Mc. 10:52 E Jesus lhe disse ao cego de Jericó "Vai, a tua fé te salvou. E logo viu, e seguiu a Jesus pelo caminho.”

O que ELE FEZ NA SUA VIDA?

Muitos tem sido beneficiado pela cura, mas não querem ter compromisso com o Senhor.
Temos o exemplo dos 10 leprosos curados, só um voltou para agradecer ao Senhor Jesus Cristo. Lucas 17:12.
- Você está entre os nove que não voltaram para agradecer?

b) Vou aprender com Ele, Mt. 11:29;
Mt. 13:36; "Então, tendo despedido a multidão, foi Jesus para casa. E chegaram ao pé dele os seus discípulos, dizendo: Explica-nos a parábola do joio do campo"

Lc. 11:1; "E ACONTECEU que, estando ele a orar num certo lugar, quando acabou, lhe disse um dos seus discípulos: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus discípulos."

At. 17:11 "Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim".

Ed. 7:10 "Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do SENHOR e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos".

Js. 1:8 " Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido"


2º Alto marcoVou falar de Jesus Cristo
Mc. 5:18-20 “E, entrando ele no barco, rogava-lhe o que fora endemoninhado que o deixasse estar com ele.  Jesus, porém, não lho permitiu, mas disse-lhe:
- Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o SENHOR te fez, e como teve misericórdia de ti.”

Mt. 28:7 "Ide pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dentre os mortos. E eis que ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que eu vo-lo tenho dito".

Mt. 28:10 "Então Jesus disse-lhes: Não temais; ide dizer a meus irmãos que vão à Galiléia, e lá me verão".

Mt. 28:19,20 "Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém".

At. 4:20 “Pois não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos”.

Você tem falado de Jesus Cristo como  Senhor e Salvador? Tem testemunhado?

3º Alto marco – Vou ser frequentador da igreja
At. 1:14 Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos.

At. 2:42 E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.

At. 12:5 Pedro, pois, era guardado na prisão; mas a igreja fazia contínua oração por ele a Deus.
  
Vou fazer parte dos intercessores, dos interessados pelos irmãos.
É importante a sua presença com responsabilidade na Igreja. Quando você não vem, você faz falta para opinar, orar etc.

4º Alto marco  – Vou contribuir com a Igreja e a obra missionária
Vou ajudar, não vou atrapalhar. Vou contribuir com minhas ofertas e dízimos.
Como diz o hino "morri por ti que fazes tu por mim"

5º Alto marco – Vou ser referencial no meu lar, igreja e trabalho.
2 Tm. 2:15 - Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.

Vou procurar ser o melhor e me apresentar como um obreiro de valor para Deus e para o meu semelhante.

At. 10:22 “E eles disseram: Cornélio, o centurião, homem justo e temente a Deus, e que tem bom testemunho de toda a nação dos judeus, foi avisado por um santo anjo para que te chamasse a sua casa, e ouvisse as tuas palavras.”
1 Tm. 3:7 “Convém também que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta, e no laço do diabo.”

Conclusão
Davi antes de ser rei tinha um bom testemunho na sua casa.
Citarei o verso, sem comentário, porque este é outro estudo que vou deixar para uma outra oportunidade.
1º Sm. 16:18  "conheço um filho de Jessé, o Belemita, que sabe tocar, e é forte e valente, homem de guerra, sisudo em palavras, e de boa aparência, e o Senhor é com ele."

ISA2 é missionário da UMNT 

sexta-feira, 27 de março de 2015

A Tentativa do Homem em Ajudar a Deus

QUAL É REALMENTE A INTENÇÃO DAQUELE QUE TENTA AJUDAR A DEUS?

Muitas pessoas pensam que enganam a Deus, fazendo com que Ele entenda de forma diferente aquilo que realmente são no fundo, suas intenções pessoais, materiais e malignas dos seus corações. Quando tentamos ajudar a Deus realmente a intenção não é a de ajudar. Uma vez que estamos conscientes de que Deus não precisa de ajuda nossa para nada.
 Se formos fazer um auto julgamento como Paulo manda que façamos; uma análise profunda da situação, vamos encontrar lá no nosso inconsciente, bem escondido, qual é na realidade o nosso desejo; e concluiremos que o interesse é próprio; para nos evidenciar, para sermos notórios, ou até mesmo para estarmos por cima que, ao nosso ver é o lugar que merecemos.  
Queremos ser celebridades entre o povo e não estamos com a intenção legítima, pura e santa de glorificar a Deus que merece toda a honra, louvor e glória.  Vimos isto em Sara e em Raquel quando idealizaram planos, para que se cumprisse o que Deus havia prometido.
Por outro lado, quando nós nos encontramos tentando ajudar a Deus, estamos demonstrando pressa e falta de fé. Pressa para sermos atendidos o mais rápido possível. Isto revela também uma boa dose de egoísmo porque queremos a primazia, na verdade isto significa dizer que Deus tem que nos dar a preferência. Queremos ter de Deus prioridade nas coisas. Os outros que esperem, mas eu tenho que ser atendido logo. Isto é farisaísmo.
E, revela falta de fé ao pensarmos que pode não acontecer como Deus prometeu, por isto vou testá-lo para ver se é verdade. Temos o exemplo do Rei Saul que não esperou o tempo que Samuel havia proposto vir para oferecer o holocausto, e ali vemos tanto a falta de fé quanto o interesse próprio em vários aspectos. De ser notado, de ser visto como importante, como o mandante, como “o rei da cocada preta”, e o medo de que as coisas não acontecessem e tudo voltaria ao que era antes; então onde eu vou parar? Interesses egoístas 1 Sm. 10:1-8
Por exemplo, o apóstolo Pedro quando quis impedir ao Senhor Jesus Cristo de ir a Cruz, qual era a sua intenção? A de salvar a vida de Jesus ou era uma preocupação com a sua própria vida? Quais eram realmente suas intenções?  Quando Jesus começou a falar de que convinha que ele fosse para Jerusalém, sofrer muitas coisas, ser morto etc., Pedro o chama à parte e O reprova! “Tem compaixão de ti Senhor; isto de modo algum te acontecerá”. E Jesus o chamou de satanás, (adversário, aquele que se coloca contra) e disse a ele que ele, Pedro, não cogitava das coisas de Deus e sim das dos homens. Mt.16:21-23. As coisas de  Deus são diferentes. Por isso Deus diz que os Seus pensamentos não são os nossos e nem os Seus caminhos os nossos caminhos. Is. 55:8. Os pensamentos e os caminhos dos homens, fora de Deus, são perversos.
Pedro estava preocupado consigo mesmo! Se o Rei, o Senhor Jesus morre, eu estou “ferrado”! E o meu lugar no reino? Eu mereço um lugar de posição nesse reino, agora se nem Ele mesmo vai ter, imagine eu? Conjeturando, cogitando sobre as coisas materiais, de homens e não de Deus.  Não tinha intenção nenhuma em que Jesus fosse ajudado, mas era um pensamento interesseiro.
Os mesmos pensamentos tiveram os irmãos Tiago e João e a mãe deles, deixando os outros dez apóstolos bem indignados contra eles. O pedido foi que Jesus, quando estivesse no reino, botasse um a Sua direita e o outro a Sua esquerda. Só isto. Só para serem os principais. A tanto tempo com o Senhor, nada mais justo, pensavam eles e a mãe, mulher de Zebedeu. Mt. 20:20-28. 
Sabem que temos que julgar-nos a nós mesmos até quando estamos ávidos, ansiosos por “almas” para a nossa congregação? Eu sei que muitos me vão “crucificar” pelo que estou escrevendo, porém, é o meu modo e ver, por um pouco de experiência que tenho com alguns líderes religiosos e com outras pessoas e experiências que já vivi. 
É muito sério e perigoso quando estamos sôfregos por termos uma igreja grande e cheia de pessoas a qualquer custo, “para Deus”. Na maioria das vezes, esse desejo não é para Deus coisíssima nenhuma. Não muito raramente o desejo na verdade é de disputa com o pastor amigo; com a igreja vizinha; com os músicos da outra denominação ou do outro irmão que pode ser um parente e a igreja dele está crescendo e ele está ficando “famoso” e benquisto.  Pode bem ser esses interesses de que eu não fique para trás, de que não saiam os poucos que “eu” tenho, para ir para outras igrejas que chamam mais a atenção, sem se importar muito a maneira como se está fazendo a obra.
Então eu estou dizendo que pregar o evangelho não é importante? Não! Mil vezes não! Desde que seja O evangelho de salvação, que é o poder de Deus como diz em Rm. 1:16. O poder que liberta, que salva a todo aquele que crê, sendo ou não da minha igreja, da minha denominação, do meu circulo. 
Como descobrir se o propósito está sendo a salvação das pessoas, a glória de Deus e não nossos próprios interesses? Para discernirmos precisamos julgar a nós mesmos. Este julgamento deve ser profundo e sincero. No Espírito Santo! Temos que buscar o equilíbrio em Deus para não sairmos de um extremo a outro.
O risco de querer mais e mais uma igreja cheia é pregar um evangelho que não seja o que foi pregado por Cristo e pelos apóstolos, principalmente o apóstolo Paulo. Ele diz aos Gálatas que se alguém, mesmo sendo um anjo, pregar outro evangelho que vá além do que ele pregou, que era o de Jesus Cristo, fosse anátema, maldição. Gl. 1:6-9.
Como saber se o evangelho que estamos levando é evangelho de homem ou de Deus? Paulo responde que o evangelho que agrada a homens, esse é de homem. E ele não pregava evangelho que agradava a homens e sim a Deus. Gl. 1:10,11. Evangelho fácil é evangelho de homem. A porta que leva a salvação é estreita e são poucos os que entram por ela. A larga, onde entram muitos, leva a perdição. Mt. 7:13,14. 
Evangelho fácil enche igrejas. As multidões gostam de evangelho fácil, mas Jesus mesmo dispensou multidões porque estavam interessados em evangelho fácil. E, quando os discípulos tentaram culpar a Jesus que o problema era o duro discurso, que as pessoas não podiam ouvir, Jesus perguntou se eles também queriam ir com a multidão, já que era duro e ninguém podia ouvir! Jo. 6:60-68.
Preguemos, ensinemos, mas ensinemos a Palavra de Deus como ela é, e o Evangelho como ele é. Testemunhemos com a nossa vida de fé, vivamos uma vida que condiz com o que pregamos, ensinemos e marchemos com os fiéis rumo a pátria celestial, sempre falando a verdade e sem querer facilitar; não fazendo de acordo com o que as multidões querem e sim como a Bíblia ensina.


Grande abraço.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Nota

Amados e mui queridos irmãos,

Informamos que, devido a problemas de impressora, ou melhor, por falta de uma que ainda não conseguimos comprar para Foz do Iguaçu, O NOTICIÁRIO de N° 01/2015 vai atrasar ainda um pouco. Contamos com a paciência dos irmãos e, assim que conseguirmos, imprimiremos e distribuiremos.

União Missionária Neotestamentária.

segunda-feira, 16 de março de 2015

A TENTATIVA DO HOMEM EM AJUDAR A DEUS.


RAQUEL E SUA TENTATIVA DE AJUDAR A DEUS.
Raquel também foi outro mau exemplo de quem quer tentar dar uma ajudinha a Deus, como se Ele não fosse capaz.  Raquel, por quem Jacó trabalhou 14 anos, tinha suas dificuldades em ter filhos, era estéril; enquanto que sua irmã Léia a primeira que foi dado a Jacó pelos primeiros sete anos que ele trabalhou para Labão, sendo mais “feinha” inclusive, enquanto que Raquel era muito formosa.
O Senhor abençoou a Léia abrindo o seu ventre, porquanto, ela era aborrecida. Era uma mocinha acabrunhada, amargurada, já desde a infância sentia-se desprezada. Foi dispensada por seu pai, não era a preferida de Jacó, tinha um problema no olho, deu um “susto” em Jacó na manhã de lua de mel quando ele acordou e viu o seu rosto, pensando ser Raquel sua irmã. Porém, o Senhor a abençoou e fê-la fecunda, enquanto que Raquel era estéril. E Léia deu a Seu marido o primeiro filho Rúben, que significa “Eis um filho”, quando ela disse: “O Senhor atendeu a minha aflição. Com isto, pensou ela; “O meu marido agora me amará mais”. Vou poder me achegar mais a ele. E realmente se achegou mesmo, porque logo teve outro filho que foi Simeão, cujo nome significa “ouvindo”; porque ela confirmou que realmente o Senhor ouviu a sua aflição.
E assim Jacó aproximou-se mais ainda de Léia, porque ela concebeu o terceiro filho, que se chamou Levi que quer dizer “junto”. Então Léia disse, agora, ainda mais se ajuntará a mim o meu marido porque já dei a ele três filhos. E outra vez concebeu outro filho que se chamou Judá que quer dizer “louvor”.  Com esse louvor, cessou de ter filhos por um tempo, porque depois ainda deu a Jacó mais dois filhos, Issacar e Zebulon e ainda uma filha por nome Diná. Gn. 29:28-35.  Gn. 30:17-21.
Raquel, por sua vez, toda enciumada e morrendo de inveja ficava cada vez mais furiosa, até que não resistindo descarregou no coitado do Jacó dizendo: “Dá-me filhos se não eu morro” e, eu acrescentaria: “de inveja de Lia”. Ela deve surtado e gritado com seu marido, porque ele perdeu a paciência, porque a resposta foi: “Estou eu no lugar de Deus, por acaso”? Foi eu ou Ele que impediu o fruto de teu ventre?
 Então Raquel a exemplo de Sara, toma uma escrava que tinha, por nome Bila e oferece a Jacó dizendo: “Coabita com ela e me dá por filhos a mim”.
Agora, mais uma vez, Jacó não poderia ter dito: “Nem pensar, deixa Deus agir”!; ou: “eu vou orar a Deus como fez Isaque meu pai, que orou instantemente para que Deus desse filhos a Rebeca e Deus ouviu e deu ele e Esaú”.  Gn. 25:21. Não! Ele, bem depressinha, passou a mão em Bila e foi “cumprir” o comando de Raquel sua esposa.
Dessa relação nasceu Dã, que significa “Juiz”. Como Jacó continuou a coabitar com Bila ela teve outro filho. Quando este nasceu, Raquel mostrou que estava realmente muito invejada de sua irmã, quando disse: “Com lutas de Deus tenho lutado contra minha irmã e venci”.  Lutas de Deus? A disputa entre as duas continuou, mas as consequências da tentativa de Raquel de ajudar a Deus ao invés de pedir a Ele, foram grandes. Gn. 30:1-7.
Dã foi uma das tribos que não foram contadas nos 144 mil dos filhos de Israel em Ap. 7:4-8.  Em Js. 19:40-48, vemos a tribo de Dã recebendo sua herança, mas não confiaram em Deus para conquistá-la totalmente, por isto, foram expulsos pelos Amorreus. Jz. 1:35. 
E em Jz. 18 narra sobre a tribo de Dã, partindo de Zorá a Estaol, pelas colinas de Efrain e persuadindo o Sacerdote de um homem chamado Mica a ir com eles para uma cidade chamada Laís, que fora tomada a força e teve seus habitantes massacrados e mudado o nome da cidade, de Laís para Dã.      Os ídolos de fundição do sacerdote se tornou o centro da adoração desta tribo. Dã, por ser uma tribo numerosa e de grandes guerreiros, confiava em sua força, deixando com isto de confiar no Deus Todo Poderoso. Ao abençoar seus filhos, Jacó disse: “Dã, julgará seu povo como uma das tribos de Israel”.  E julgou através de Sansão que era da tribo de Dã. Jz. 13:2. E no v. 17 de Gn. 49, na bênção de Jacó aos seus filhos ele disse: “Dã será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda, que morde os calcanhares dos cavalos e faz cair os seus cavaleiros por detrás”. Isto quer dizer traição. E Jacó acrescenta no v. 19: “A tua salvação espero ó Senhor”! Dã não esperou nem procurou ao Senhor.  Deus deu a Raquel depois, como filhos a José, grande homem da Bíblia e Benjamim, a quem Raquel sequer chegou a conhecer, porque morreu no parto antes de seu nascimento.  O que compete a Deus fazer Ele certamente o faz, sem a necessidade de nossa ajuda. Só o que cabe a nós é que Ele não faz.
Grande abraço.

Zigomar.

14 Reflexões Evangélicas sobre questões atuais

Convido o amado leitor a ouvir as nossas mensagens sobre a Palavra de Deus. Basta clicar nos links abaixo:

01 - "Aprendendo pela observação".


02 -  "A existência de Deus".

03 - "O tempo das queimadas".


05 - "A responsabilidade social do cristão".

06 - "O futuro da juventude".

07 - "O valor da verdade como princípio moral cristão".

08 - "O cristão, a política e a cidadania".

09 - "O cristão e a política em favor dos pobres".


11 - "A propriedade das almas dos seres humanos".
https://soundcloud.com/…/11-a-propriedade-das-almas-dos-ser…

12 - "O que significa ser nova criatura".
https://soundcloud.com/…/12-o-que-significa-ser-uma-nova-cr…



Caso deseje manter contato, envie-nos um e-mail para respland@gmail.com
Boas audições.

Prof. Izaias Resplandes de Sousa


sábado, 14 de março de 2015

O espírito de limpeza


Prof. Izaias Resplandes
Hoje eu acordei com disposição mental para limpar um novo terreno que adquiri. Nem sempre estamos com esse estado de espírito. Sujar, nós sujamos o tempo todo.

O volume de lixo produzido pela humanidade é uma calamidade. Só para termos uma ideia, cada pessoa produz em média 1,5 kg de lixo por dia. O mundo tem mais de sete bilhões de pessoas, o que significa uma produção diária de aproximadamente onze milhões de toneladas de lixo por dia. São quase cinco bilhões de caminhões de lixo (2,4 ton) coletados por dia. E esse lixo, meus queridos, está espalhado por todo lado, poluindo o ar e as águas, servindo de alimento para animais peçonhentos e vetores de inúmeras das doenças que atingem a humanidade. Então... Limpar pelo menos o espaço que nós ocupamos nesse planeta, com certeza deve mesmo ser a nossa obrigação, ainda que nós não gostemos de fazer esse trabalho.

Continue lendo em: 

sexta-feira, 13 de março de 2015

A mulher cristã no século XXI


Prof. Izaias Resplandes
1. Introdução. Antes de tudo, façamos uma breve introdução sobre a mutabilidade e imutabilidade das coisas.
Assim diz a Bíblia em Hb.. 12:27: A palavra: Ainda uma vez, mostra a mudança das coisas móveis, como coisas feitas, para que as imóveis permaneçam.

É certo que, no mundo criado por Deus, temos uma constante evolução, um aperfeiçoamento das coisas feitas, de sorte que há muitas mudanças da noite para o dia. Apesar disso, sabemos que nem tudo é mutável e que certas coisas são perenes, são para toda a vida, são eternas.

Diz a Bíblia que, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento, para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos poderosa consolação, nós, os que nos refugiamos em lançar mão da esperança proposta, Hb. 6:17-18.

Leia mais em: http://www.respland.blogspot.com.br/2015/03/dia-da-mulher.html

quinta-feira, 5 de março de 2015

Dos que deixam as veredas da retidão, para andarem pelos caminhos das trevas.

Apóstatas são um sério perigo! Cristãos carnais são uma ameaça à sua alma! Homens ímpios não permanecem no caminho da justiça, mesmo quando são bem ensinados. Logo, logo, eles contemporizam com aquilo que lhes foram ensinados, para buscarem o pecado (Pv 2:12-15). O objetivo da sabedoria, do conhecimento, da discrição e do entendimento é salvá-lo de tais contemporizadores (Pv 2:10-17).

Os dois testamentos das Escrituras descrevem a loucura do homem, que não pode e não permanecerá fiel aos antigos caminhos em que foram instruídos. Considere alguns exemplos do Velho Testamento (Jz 2:1-23; ISm 8:8; Sl 78:40-42; Jr 6:16; ICo 10:1-11). Considere alguns exemplos do Novo Testamento (ICo 15:12; Gl 1:6-9; Gl 4:9; Fp 3:18-19; IITm 4:10).

O dever de todo o homem é aprender a sabedoria, o conhecimento a discrição e o entendimento de Deus para poder evitar os contemporizadores e os seus pecados (Pv 2:10-17). Todo homem deve estar solidamente firmado na palavra de Deus para desprezar e rejeitar qualquer outra opinião (Sl 119:128; Rm 16:17-18; IITs 3:6; ITm 6:3-5). Mas isto exige a aprendizagem da sabedoria (Pv 2:1-9; Cl 1:23).

Deus odeia a apostasia! E Ele pune severamente aqueles que se apostatam (Pv 14:14). Quando Deus lhe abençoa com a verdade, o que é uma grande coisa, Ele espera que você a use ou a perca (Lc 8:18). Pelo privilégio de conhecer a verdade, você será julgado com maior seriedade por se voltar contra ela (Lc 12:47-48). Paulo advertiu inúmeras vezes aos cristãos hebraicos a respeito da apostasia (Hb 2:1-3; Hb 6:4-6; Hb 10:26-31; Hb 10:38-39; Hb 12:25-29).

Você vive no tempo perigoso dos últimos dias (IITm 3:1 a 4:5). Estes 25 versículos de Paulo a Timóteo prevê o surgimento de uma marca de cristianismo efeminado e comprometedor, que é obcecada por prazer e só tem um fraco fingimento de religião. Esse aviso abrange a grande maioria dos "crentes" de hoje, pois eles não toleram mais a sã doutrina. Eles querem professores que os ensinará fábulas ao invés da verdade!

Davi havia assumido o compromisso de não se separar impiamente do seu Deus; e apesar dele ter pecado de uma forma horrível com Bate-Seba, ele rapidamente se arrependeu quando confrontado (Sl 18:21). Ele evitava pecadores sempre que podia, e ele escolhia os justos para serem seus amigos (Sl 101:3-8; Sl 119:63). Para ser como ele, você precisa ter a palavra de Deus firmemente diante de você (Sl 18:22).

O objetivo primário de uma igreja local é a de guardar um ao outro de se apartar do Deus vivo através da falsidade do pecado (Hb 3:12-13; Hb 10:23-25). E é o dever dos pais doutrinarem seus filhos contra isso (Sl 78:1-8). Para a glória de Jesus Cristo e do Seu evangelho, você deve converter ou rejeitar todos os apóstatas (Gl 6:1; Tg 5:19-20).
www.LetGodBeTrue.com




quarta-feira, 4 de março de 2015

La Raíz de Amargura


Lectura: Hebreos 12: 15
“Mirad bien, no sea que alguno deje de alcanzar la gracia de Dios; que brotando alguna raíz de amargura, os estorbe, y por ella muchos sean contaminados”
a)    Mirad bien”: Prestar atención, estar alertas, analizar profundamente, ser sincero con uno mismo. Cuando la Biblia nos dice que miremos bien es porque puede ser difícil identificar el problema claramente. Puede ser que tengamos pero no nos damos cuenta.
b)   “No sea que alguno deje de alcanzar la gracia de Dios” comp. Juan 1: 17b “pero la gracia y la verdad vinieron por medio de nuestro Señor Jesucristo” Tito 3: 4 – 7 “pero cuando se manifestó la bondad de Dios” La gracia de Dios es la bondad de Dios que nos salvó no por obras de justicia que nosotros hubiéramos hecho. V.6 “el cual derramó en nosotros abundantemente”
c)    “que brotando alguna raíz de amargura” La raíz no se ve, brota bajo tierra. Cuando se ve un broto sobre la superficie es porque ya tiene raíz. ¿qué función cumple la raíz? La planta absorbe los nutrientes a través de la raíz. Por más que se quiten los brotes si sigue la raíz volverá a crecer. Pero la raíz de amargura contamina.
Definiciones según la RAE: (Real Academia Española)
Amargura: Aflicción o Disgusto
Rencor: Resentimiento arraigado y tenaz.
Disgusto: Sentimiento, pesadumbre e inquietud causados por accidente o una contrariedad. Fastidio, tedio o enfado que causa alguien o algo.
Angustia: Aflicción, congoja, ansiedad. Temor opresivo sin causa precisa. Sofoco, sensación de opresión en la región torácica o abdominal.

Deuteronomio 29: 18b “no sea que haya en medio de vosotros raíz que produzca hiel y ajenjo”
Cuando hay una raíz, hay producción continua. Si no se quita la raíz, no se elimina el problema.

¿Qué cosas producen en nosotros raíz de amargura?
Salmo 32: 3,4 “mientras callé” Falta de confesión.
Salmo 38: 10 “Mi corazón está acongojado”
Caín – Génesis 4: 5 “y decayó su semblante”
1 Corintios 3: 3 “porque aún sois carnales; pues habiendo entre vosotros celos, contiendas y disensiones”
Santiago 3: 14-16 “pero si tenéis celos amargos y contención en vuestro corazón” “porque donde hay celos y contención, allí hay perturbación y toda obra perversa”   
              La falta de perdón nos produce raíz de amargura. La falta de confesión nos produce raíz de amargura. Los celos producen amargura.

  • a)      Aflicción: Santiago 5: 13 “¿Está alguno afligido?”
  • b)      Enfermedades: Santiago 5: 16b “para que seáis sanados”
  • c)      Esterilidad: 1 Samuel 1: 5-8, 10, 18-20 Cuando Ana no estuvo más triste, Jehová se acordó de ella y le concedió la posibilidad de quedar embarazada.
  • d)     Dolores de Huesos: Salmo 32: 3,4 “se envejecieron mis huesos”
  • e)      Depresión: 2 Samuel 12: 16, 17 David estaba acostado en la tierra.
              La Raíz de Amargura no es algo espontáneo. Es un proceso que muchas veces ni siquiera sabemos cómo y dónde comenzó. El problema principal de la persona que tiene una raíz de amargura es la autoconmiseración (tener compasión de sí misma). Por lo tanto cree que los demás deben  de pedirle perdón. Los demás tienen que arrepentirse. Los otros me golpearon a mí. Me ofendieron. Pobre de mí, nadie se da cuenta que me hicieron daño. Mira como estoy y nadie me tuvo compasión. Pero la biblia dice: “recuerda por tanto de dónde has caído y arrepiéntete” Apocalipsis 2: 5.

¿Cómo quito la raíz de amargura?
            Primero debemos hacer un profundo y sincero análisis. Salmo 139: 23, 24 “Examíname o Dios y conoce mi corazón”; Apocalipsis 2: 5“recuerda por tanto de dónde has caído y arrepiéntete”; Marcos 11: 25, 26 “y cuando estéis orando, perdonad” “porque si vosotros no perdonáis”; Efesios 4: 30 – 32 “y no contristéis al Espíritu Santo”, “quítense de vosotros toda amargura, enojo, ira, gritería y maledicencia y toda malicia” “Antes sed benignos unos con otros, misericordiosos, perdonándoos unos a otros como Dios también os perdonó a vosotros en Cristo”

Filipenses 4: 8
Por lo demás, hermanos, todo lo que es verdadero, todo lo honesto, todo lo justo, todo lo puro, todo lo amable, todo lo que es de buen nombre; si hay virtud alguna, si algo digno de alabanza, en esto pensad.

Colosenses 3: 12-14
Vestíos, pues, como escogidos de Dios, santos y amados, de entrañable misericordia, de benignidad, de humildad, de mansedumbre, de paciencia; soportándoos unos a otros, y perdonándoos unos a otros si alguno tuviere queja contra otro. De la manera que Cristo os perdonó, así también hacedlo vosotros. Y sobre todas las cosas vestíos de amor, que es el vínculo perfecto.
Por: César Alejandro López



sábado, 28 de fevereiro de 2015

O viver no amor



Prof. Izaias Resplandes de Sousa
Nós vivemos tempos de ódio, de desentendimento, de egoísmo e de falsidade. No entanto, com muita facilidade, vemos as pessoas abrindo a boca para dizer a outra: eu amo você.

Amar parece que virou uma mentira banal, quando deveria ser o sentimento mais profundo e verdadeiro a brotar do coração de alguém. Temos aprendido que aquele que ama, não busca os seus próprios interesses antes de atender aos interesses daquele que diz amar. Ele pensa primeiro no outro e não em si. Esse é realmente o primeiro e grande princípio do amor.

E nesse sentido, a Bíblia diz que o amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, 1 Coríntios 13:4-7.

Quantos nãos para dizer, contrário senso, que o amor não pode ser identificado com quaisquer desses defeitos humanos. E que é sentimento profundo que brota da alma, que se incomoda com a maldade, com a inveja, com o pouco caso de muitos...

Ah, o amor! Há tanta coisa inclusa nesse pacote etiquetado com o verbo amar. Com certeza, passaríamos a vida toda tentando viver alguns momentos em cada uma delas e não esgotaríamos o conhecimento singular de todo seu conteúdo. Mas podemos destacar dentre elas, uma que é tão importante quanto ele:  o perdão. 

Aquele que ama de verdade é capaz de perdoar sempre, ainda que a ofensa tenha sido muito grave. Se alguém não é capaz de perdoar outrem é porque não ama essa pessoa e talvez nunca a tenha amado, porque o amor nunca falha com o outro.

As profecias poderão ser aniquiladas; o falar em línguas, poderá cessar; a ciência poderá desaparecer, mas o amor nunca falhará. É isso que entende de 1 Coríntios 13:8.

Se formos nos aprofundar nesse estudo, meus queridos, veremos que o viver no amor, para o cristão, implica em um estar disposto a um sacrificar permanente de quase tudo em favor do outro. Sim, quase tudo, porque Deus e sua Palavra jamais poderão ser sacrificados por qualquer coisa.

Assim diz a Bíblia: Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. Mateus 10:37.

É assim que o amor a Deus deve estar acima de tudo. Esse é o primeiro grande mandamento, um ensinamento do próprio Senhor Jesus Cristo. Quando lhe perguntaram qual era o grande mandamento na lei,  Jesus disse: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento, Mateus 22:36-38.

No entanto, em que pese o amor a Deus estar acima de tudo, não há dúvida de que aquele que ama a Deus, antes de tudo também amará a seu irmão de todo o coração. Não é possível amar a Deus, sem amar seu irmão. Quem pensa que isso é possível, engana-se a si mesmo e vive mais uma das grandes mentiras do amor. É o que afirma a Palavra de Deus.

Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão, 1 Jo 4:20,21.

Deus está muito acima de nós em todos os sentidos. É certo que temos por objetivos estarmos um dia e para sempre com Ele, no reino dos céus, que está muito além do reino da terra. Mas para que isso aconteça nós temos que nascer de novo, temos que nos tornar novas criaturas, temos que avançar além do individualismo que marca nossas vidas. Faz-se necessário que aprendamos a amar, da forma como Deus nos amou, sem visar recompensas pessoais, sem querer levar vantagem de alguma forma. Só o verdadeiro amor pode nos salvar de nós mesmos e de um triste destino nas profundezas do inferno.

O céu é para aquele que aprendeu a amar. E é Deus quem nos ensina sobre o verdadeiro amor, posto que ninguém nunca amou alguém da forma como Ele amou, ao ponto de ofertar-se a si mesmo, na pessoa do Filho Unigênito, em sacrifício vital pela salvação de todos nós. É nessa escola de Deus que devemos buscar a nossa salvação. Não importa o quanto seja ruim o nosso semelhante. Não importa se ele presta ou não presta, se em nosso conceito ele vale a pena ou não. Se não formos capazes de amar essas pessoas que consideramos inúteis e desprezíveis, não seremos aptos para o reino dos céus.

É isso que significa viver no amor. Deus prova o seu próprio amor para conosco, dando-nos seu filho Jesus para morrer por nós quando nós ainda éramos pecadores. O amor deve ser demonstrado exatamente àqueles que são menos queridos e que Deus ama tanto quanto a qualquer outro e talvez até mais, porque estes precisam de doses ainda muito mais elevadas de seu amor. 

Na verdade, quando oferecemos essa demonstração de amor aos demais, nós estamos testemunhando que, de fato, nós somos discípulos de Jesus. Essa é a prova que ele nos mandou oferecer. E se somos, verdadeiramente, seus discípulos, nós cumpriremos os seus mandamentos, principalmente a este mandamento de amor.

E então todos conhecerão que somos discípulos de Jesus, quando nós demonstrarmos que amamos, de verdade, uns aos outros. João 13:35.

E então todos saberemos que somos amigos de Jesus, quando fizermos o que Ele nos mandou fazer. João 15:14.

É de ver que a falta de amor na vida das pessoas é a razão das tristezas, dos sofrimentos, das separações, das brigas e das discussões sem sentido. Quem vive no amor, deve buscar o entendimento, a paz e a união. Esse é o cerne da grande mensagem que recebemos da parte de Deus.

Assim diz o apóstolo Paulo:

Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco. 2 Coríntios 13:11.

Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz. 1 Coríntios 14:33.

E, por último, ao encerrarmos essa reflexão, queremos destacar as três perguntas de amor feitas por Jesus, a Simão Pedro em João 21:15-17. 

Diz o texto sagrado que, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros, João 21:15.

Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas, João 21:16.

Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas, João 21:17.

A conclusão é que o viver em amor implica em um assumir responsabilidades de cuidado, de zelo, de carinho e de atenção para os mais frágeis, os menores e todos aqueles que precisarem de mais atenção dos homens. Aquele que quer amar é preciso estar disposto a isso a viver esse tipo de vida, de coração, de alma e de mente.

Não há dúvidas de que seja muito fácil dizer que se ama alguém. A língua pode ser rápida para falar “eu te amo”. Mas a realidade, bem diferente disso, tem demonstrado que a maioria dessas declarações de amor são vazias e mentirosas, não passando de meras teorias. Eu as chamo de mentiras de amor.

E, amar, meus queridos, não é um princípio meramente teórico. Não é uma mentira. Não é um simples jogo de palavras, que se lança da boca pra fora. Amar é uma prática de vida iniciada por Deus e que deve ser desenvolvida com empenho e dedicação por todos aqueles que de fato desejam se tornar filhos de Deus e herdeiros das moradas do reino dos céus.

Que Deus nos abençoe e nos ajude a nos aperfeiçoarmos no amor.